Resenha ~ Alma em chamas

Trilogia Corações Irlandeses #01

Você sabe qual foi o primeiro livro lançado pela Nora? 
Vou te apresentar hoje, este romance lindo que recebeu um título tão sugestivo aqui no Brasil e tão a cara do estilo de publicações dos Romances de Bolso que aqui receberam o apelido de “romances de banca”, Alma em Chamas, publicado no ano de 1981. Este romance virou uma trilogia e depois que o mesmo foi lançado a carreira da nossa Diva só cresceu se tornando o sucesso que é nos dias de hoje, 37 anos depois. Esta história se passa em Maryland, Virgínia.

Adelia Cunnane é uma linda jovem irlandesa, de temperamento quente, sem papas na língua, mas de uma simplicidade devido a sua criação surpreendente. Depois de perder seus pais quando muito jovem, aprendeu da maneira mais difícil que o amor deve ser valorizado da maneira em que se recebe, ficou com a fazenda de sua família e uma tia solteira que passou a cuidar dela e do lugar, até que a sua tia também veio a falecer e lhe restou além de dívidas, um único parente vivo, Padrick Cunnane, um tio que há muitos anos atrás se mudou para os Estados Unidos. Foi então que aceitou o convite do seu tio, de ir morar com ele, afinal, não lhe restava mais nada na Irlanda que pudesse lhe dar um futuro e esperava de coração que lá ela tivesse.

Decerto, procurou se convencer com um pouco mais de confiança, haveria um lugar para ela em Royal Meadows, onde o tio trabalhava como treinador de puros-sangues de corrida. Não haveria campos para arar, nem vacas para ordenhar, mas ganharia o seu pão mesmo que tivesse que lavar pratos. Franzindo a testa, subitamente teve dúvidas se na América precisavam de pessoas para lavar pratos”.

Travis Grant é um jovem que possui uma das maiores fazenda de criação de puros-sangues para corridas nos Estados Unidos, e tem em Padrick, mais que um funcionário, um pai, e por isso não lhe proíbe de trazer sua sobrinha para morar com ele na fazenda e lhe dar um serviço. Mas qual a sua surpresa ao conhecer esta jovem que mais se parece uma fada frágil, mas que no contrário possui uma força surpreendente e uma língua ferina, mas que lhe atiça um fogo e ao mesmo tempo um instinto de proteção sem medidas. Ele então percebe que terá que exercer tanto sua paciência como também sua teimosia para conseguir conquista-la.

“- Sabe, Dee – falou ele, com a voz calma e impassível – você é pequena demais para ter um temperamento tão perigoso”.

Esta é uma história onde a Nora descreve duas de suas paixões, os cavalos e as corridas, tão famosas nos Estados Unidos como qualquer outro esporte, mas que movimenta a sociedade e o mundo das apostas. Além de trazer também toda a magia da terra de seus ancestrais, a Irlanda. Este é um livro pequeno, mas com uma história muito linda e especial, afinal é a primeira. Uma curiosidade legal, é que se você assim como eu, sentiu falta que a história fosse maior em vários aspectos, anos depois a Nora escreveu Traições Legítimas, que nos traz o mesmo ambiente, mas numa história completamente diferente. E eu sou, é claro, apaixonada pelas duas.

É lindo perceber a evolução na escrita da autora e sua mudança dos romances “água com açúcar”, para seus romances com drama, suspense e fantasia, mas sem mudar características que lhe são tão marcantes. Hoje eu dou nota 4/5 para esta história, mas tenho certeza que na época a Nora revolucionou em sua escrita e teria recebido nota 5.

Torço muito para a Harlequin relançar esta trilogia em um formato maior e melhor, de preferência com papel amarelo, pois esta edição de 2014, me desculpe, é horrível. Confesso que gosto muito mais das edições antigas. E se você tem e deseja conservar, lhe digo que é de extrema necessidade plastificar.
Boa Leitura,

Nota: 

Resenha das próximas histórias: O Mistério de Uma Flor #02 |  Coração Rebelde #03



Sobre o Livro ~ Informações Técnicas

Almas em chamas
Trilogia Corações Irlandeses
Título original: Irish Thoroughbred
Páginas: 288
Ano de edição: 2014
Tradução: Maurício Araripe
Editora: Harlequin Books

Sinopse
Na fazenda Campos Reais, Travis Grant reinava absoluto, senhor das terras e dos animais. Quando aceitou trabalhar para ele, Adélia Devlin pela primeira vez se sentiu mulher, e conheceu a emoção do amor, dominando-a com uma intensidade que crescia à medida que ia se aproximando mais dele.

Não tardou a se apaixonar por aquele homem másculo e poderoso, que ora a tratava com crueldade, falando e agindo como um senhor de escravos, ora a beijava com paixão, prendendo-a em seus braços fortes como aço. Adélia sabia que não podia alimentar esse amor em seu coração, pois não passava de uma empregada ingênua e bonita, que só lhe despertara o desejo!

2 comentários:

  1. Oi Carol,
    Adoro ler quando você fala da Nora. Dá pra sentir o amor nas entrelinhas. Essa história parece ser no mesmo estilo de Uma Vez Mais com Ternura. Parabéns pela resenha.
    Beijos,
    André | Garotos Perdidos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada André... realmente o estilo é bem parecido. Bjs

      Excluir